COMO SE MOTIVAR EM TEMPOS DIFÍCEIS?

Olá meu amigo e minha amiga! Tudo bem?

Hoje vamos falar sobre algo que tem afligido muito o brasileiro: motivação. Como se motivar neste cenário tão desmotivador?

Você sabia que ninguém motiva ninguém, se a pessoa não deixar? Então, como podemos nos motivar em tempos difíceis?

Vamos aprender isso com duas teorias motivacionais. A primeira é a do estudioso Abraham Maslow, um psicólogo norte-americano que desenvolveu a “Hierarquia de Necessidades”, que determina quais são as necessidades humanas através de uma pirâmide.

Na base desta pirâmide estão as necessidades fisiológicas; para Abraham Maslow, uma pessoa precisa ter dinheiro para comer, beber, se vestir e morar. Na segunda parte desta pirâmide estão as necessidades de segurança, onde a pessoa é motivada a buscar recursos para ter uma casa para se proteger e, também, ter um emprego. Na terceira parte, estão as necessidades sociais, a pessoa está motivada quando está inserida em um meio social, ou seja, ela se torna sócia de um clube ou participante de comunidades, associações ou tribos. Na quarta parte, estão as necessidades relacionadas a autoestima ou a busca por status, com as necessidades anteriores supridas, a pessoa espera um reconhecimento e procura aparecer em eventos ou ser destaque na sociedade de alguma forma. A quarta e última parte da pirâmide é a auto realização, ou seja, a missão de vida de uma pessoa. Então, conforme Maslow, estes 5 aspectos da pirâmide fazem com que você se sinta motivado.

Agora, vamos analisar uma outra teoria, a de Frederick Herzberg, ele também é um norte-americano e desenvolveu a “Teoria dos 2 fatores”. Segundo ele, o primeiro fator desta teoria é o higiênico que se refere a salário e benefício, e por que higiênico? Ele relaciona o ato de lavar as mãos para se evitar doenças com o ato de se bonificar ou pagar um salário a um funcionário para que ele não reclame; então, o higiênico tem relação com a palavra gratificação e, só ela, não motiva ninguém, dinheiro não pode ser a motivação de ninguém.

O segundo fator desta teoria é o motivador, para Herzberg, precisamos analisar três aspectos dentro deste fator, o primeiro é: você está reconhecendo as pessoas? Reconhecer neste caso não é dar dinheiro, mas entender o seu colaborador, saber o que ele pensa, dar atenção a ele. O segundo aspecto é elogiar com sinceridade, um elogio sincero motiva seu colaborador. O terceiro aspecto é oportunidade de carreira e treinamento, quando o colaborador sabe que pode crescer como profissional e pessoa, ele se motiva.

Depois destas duas teorias, vamos às minhas dicas:

1. Ninguém é robô – a partir de hoje, para motivar, respeite, pergunte e conheça o seu colaborador;

2. Não o trate como uma manada – faça com que seu colaborador goste de você, primeiramente, como pessoa e, depois, como profissional;

3. Em tempo de desmotivação, você é o exemplo – você precisa ser o primeiro motivado para poder motivar;

4. Não existe regra para você motivar – a motivação se constrói com o tempo, ela se dá passo a passo.

Por isso, lembre-se, não existe regra básica para a MOTIVA+AÇÃO, não existe regra para motivar, cada pessoa tem uma motivação por si só. Então, a partir deste vídeo, reflita e veja o que você está fazendo sobre este assunto e, por último, tenha sonhos e objetivos!

Obrigado e até a próxima! Seu amigo André Ortiz.

CONVITE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Show Buttons
Hide Buttons